Reflexão · Vida

Feliz dia das mães?

Cá estava eu pensando em qual seria o presente da minha mãe que ainda não escolhi (dica presente para casa e que todos usam não é presente ok, a menos que ela tenha pedido) e me veio a ideia desse post . Eu não sou mãe, minhas amigas próximas também não, mas esse post é para todos nós.

Sabe quando cai a venda dos nossos olhos? Foi o que aconteceu comigo depois de ter um contato mais profundo com o feminismo e perincipalmente mães feministas. Como já falei por não ser mãe e nem ter contato direto com mulheres mais jovens e mães eu não percebia como o mundo pode ser cruel com elas.

A verdade é que sempre vemos a maternidade de uma forma romantizada. Se uma mulher se atreve a relatar nas redes sociais como é difícil, dói e a solidão depois da maternidade ela é alvo de xingamentos e silenciada.

Nas rodas de conhecidas acontece das mães relatarem situações vividas mas se ela fala que odeia a maternidade ou se é ao contrário e uma mulher fala que não quer ter filhos elas ainda são recriminadas por outras mulheres.

O título do post é “Feliz dia das mães?” para fazer uma reflexão. Ser mãe pode ser incrivelmente maravilhoso quando se tem um suporte da família e logicamente uma participação ativa do pai , mas também pode ser solitário, cheio de cobranças e culpas sobre essa mulher.

Deixo aqui um texto compartilhado pela página Vegana é a sua mãe no Facebook.


Não estou tentando julgar essa família especificamente, mas quero tentar chamar atenção para esses pequenos momentos da maternidade que podem levar ao sentimento de solidão e ressentimento, e esse momento exemplifica isso perfeitamente.
Ontem quando estava almoçando, observei essa mãe entreter seu bebê com um balão, caminhando pelas mesas, tocando as artes da parede, etc (sabemos como é) o tempo inteiro que a sua família curtia a celebração de aniversário regada a comidas, bebidas e conversas. Ninguém foi ali para fazer com que ELA curtisse fazer parte do grupo. Essa imagem, a mãe em rosa à esquerda (com seu bebê tocando um balão) é uma visão perfeita do constante e INVISÍVEL trabalho da maternidade que muitas mães fazem que nos fazem não pertencer ao grupo. Ou ninguém notou o trabalho sutil que ela estava fazendo, ou ninguém quis abrir mão da sua diversão para deixá-la se divertir também. Eu pensei em oferecer para segurar o bebê um pouco para ela curtir com a família mas me dei conta que como não a conheço ficaria estranho.
E as pessoas se perguntam porque depressão pós-parto, raiva e ressentimento são partes constantes da maternidade. Não precisamos apenas de melhores diagnósticos e médicos para ajudar novas mães – precisamos de que nossas famílias e amigos nos notem, e ajudem a nos trazer de volta para a mesa.
Me lembro perfeitamente dessa fase e lembro escrever num diário que eu nunca queria esquecer o quão isolada me sentia em jantas e festas enquanto andava ao redor com um bebê no colo enquanto todos tomavam vinho e só faziam um carinho no bebê enquanto eu passava em vez de oferecer ajuda para que eu comesse sem um humano grudado em mim. Escrevi porque sei que o tempo me faria esquecer. Escrevi para no futuro lembrar de ajudar meus filhos sobre isso, especialmente as mães.
Por favor compartilhe isso para que pessoas em diferentes fases da vida nas famílias possam entender onde estão essas dificuldades que nós mães enfrentamos e que entendam onde podem nos ajudar. Mesmo que não possam entender porque não viveram, essa imagem ilustra perfeitamente a diferença que faz quando ninguém interfere.
Original @adultconversation
Tradução Vegana é a sua mãe (Via @womenirl)

Domingo que vem aproveitemos os momentos com nossas mães, mas também que comecemos a olhar em volta nas reuniões em família ou amigos que podemos oferecer ajuda ou pelo menos ser solidários aos desafios da maternidade. Se uma mulher falar com você da dificuldade de ser mãe não seja aquela pessoa que recrimina e sai falando mal por aí. Mostre empatia e ajude a conscientizar seus amigos, irmãos e homens do convívio em geral a importância da participação deles na criação e cuidado dos próprios filhos. Desejo que todas as mães sejam ouvidas e valorizadas em todos os dias e não apenas no dia das mães.

Anúncios
Reflexão

Elementos para te manter motivado

Como já falei antes, desde dezembro tenho estado em um processo de autoconhecimento mais intenso e resolvi listar aqui alguns elementos que me mantem motivada mesmo depois de dois meses do inicio do ano e da criação das nossas metas ainda sigo firme me dedicando.

  • Mude sua percepção de sucesso

Li em algum lugar: “Sucesso é rir muito e com frequência, conquistar o respeito das pessoas inteligentes e o carinho das crianças. Apreciar a beleza, encontrar o melhor nos outros, deixar o mundo um pouco melhor que antes, com um jardim ou uma redenção de condição social sabendo que pelo menos uma vida respira mais facilmente porque você viveu nela. Isto é ter triunfado.” Sucesso é muito mais do que ser rico antes dos 30, viver melhor que seu vizinho e ter o melhor carro.

  • Seja feliz agora criando seu futuro dos sonhos

Muitas pessoas vivem na expectativa de ter uma vida dos sonhos, seja de ganhar na loteria ou de aproveitar depois da aposentadoria. A verdade é que só temos nas nossas mãos o tempo agora. Aquele fato que te deixou triste 1h atrás não existe mais e daqui 1 ano ninguém garante que ainda estaremos aqui. Não deixe para ser feliz amanhã, porque o amanhã nunca de fato chega.

  • “Agradece, que tudo cresce” 

Ouvi essa frase um dia desses e fiquei pensando. O sentimento de profunda gratidão, mesmo estando passando por um momento difícil torna essa carga mais leve.

  • Limpe os ralos

Esse é um dos vídeos da Tiemi Yamashita que mais gosto. Procurem sobre o Mottainai.

  • Leia autoajuda

Muitas pessoas tem preconceito com livros de autoajuda, cada um sabe o que lê, mas não seria muito mais fácil chegar no nosso objetivo nos inspirando em pessoas que já chegaram lá? Esses livros te mostram o caminho ou pelo menos aguçam seu senso crítico sobre o assunto. Pense nisso!

  • Tudo é um aprendizado

Todos nós erramos e sempre podemos recomeçar. Quando você errar em algum ponto interprete como um aprendizado. Passar por aquilo te fez aprender e evoluir para uma próxima vez.

Inspiração · Reflexão

Inspiração: autoestima


“Seu corpo não é uma coisa para ser olhado e julgado por causa de algum padrão de perfeição que não existe. É o instrumento que leva você através da vida, tem que experimentar toda as coisa bonitas que a vida tem para oferecer. Comida. Por-Do-Sol. Música. Abraços. Riso. Um corpo saudável é uma dádiva. Não dê isso como certo, não trate-o como uma coisa barata para ser usada por uma noite. Trate-o como se fosse o amor da sua vida. Trate-o com respeito e ternura, mas acima de tudo, gratidão, apreço. E uma saudável dose de temor, também. Seu corpo é feito de restos de estrelas e explosões nas galáxias. Todos os anos, a maior parte do seu corpo é recém criada por regeneração de suas células, mas tem coisas em você que são tão antigas quanto o universo. Somos literalmente poeira estelar. Cada um de nós é um pequeno milagre. Você é um milagre”

J. T. Geissinger

Essas palavras estavam em um livro que eu li e me marcaram. Marcou por saber que eu como muitas mulheres não me sentia bonita como eu sou. Marcou porque nós vemos todo dia mulheres se martirizando e morrendo por não se enquadrar em padrões para chegar neles. Marcou por ver também mulheres “padrão de beleza” também não se sentindo bonitas.

Todos somos responsáveis por continuar reproduzindo o que a sociedade prega como bonito.

Muitas pessoa vendo o sofrimento de alguém não se mostra solidário à isso. Acha que é frescura. E usam o argumento “Você é saudável “, “Esquece isso”…

A baixa autoestima deve ser um motivo de preocupação. Em um outro post eu falei um pouco do meu processo de me aceitar, veja aqui.

Ler por acaso o livro desta autora, que nem era de autoajuda, reviveu minha vontade de falar mais sobre a autoestima. Como é essencial olharmos para o espelho e gostarmos do que vemos para alcançar a felicidade

Já ouvi depoimento de mulheres que não conseguem ir à padaria sem maquiagem. Isso é absurdo. Eu gosto de me maquiar, não é uma crítica, mas quando ela se torna fundamental para fazer qualquer coisa é o momento para parar e pensar.

Resolvi escolher 4 pontos importantes que ajudam elevar a nossa autoestima;

  1. Mude seu padrão de beleza – comece a enxergar a beleza em pessoas diferentes;
  2. Pratique gratidão – seja grato (a) por tudo;
  3. Busque o autoconhecimento – ter a consciência de quem somos e do que melhorar muda tudo; 
  4. Não se compare – cada indivíduo é único. 

Ter uma autoestima elevada é um dos pilares para levar uma vida leve!

Reflexão

Um mês para se lembrar

Hoje, dia vinte e oito de outubro de dois mil e dezoito chegou ao máximo um período de muita tristeza e reflexão. O desespero fala mais alto as vezes que a fé. A sensação de perda está muito forte. O que esperar para ano que vem ou de nossas vidas daqui para frente? Nesse perdido de ideias e pensamentos acabei chegando até aqui no blog e me inspirou a realizar uma mudança completa em mim e no blog. Percebi que a única forma de me salvar é pelo amor. Deus, vida, família, amigos. Foco em pensamentos positivos e na nossa saúde.

Sempre fui uma pessoa que se afastou do amor por diversos motivos. Ao conhecer a técnica havaiana Ho’oponopono  eu percebi que tenho que buscar amar mais na minha vida. Viver o presente e esperar sempre o melhor vir.

Hoje mesmo com o receio do que pode estar por vir, o que me resta é me apegar ao amor de Deus.

Mudei o nome e aparência do blog porque espero ter aqui um cantinho para trazer coisas boas, amor e felicidade com mais conteúdo do que só minimalismo.